“Lixo” Energético


De acordo com o IBGE, o Brasil em 2008 tinha uma composição gravimétrica dos resíduos sólidos coletados de cerca de 31,9% de material reciclável (que incluem metais, aço , alumínio, papel, papelão, tetrapak, plástico total, plástico filme, plástico rígido e vidro), 51,4% matéria orgânica (o que representou um pouco mais de 94 mil toneladas por dia) e 16,7% classificado entre outros tipos de resíduos. Sendo que em 2009 os resíduos oriundos da agroindústria (em sua grande maioria de característica orgânica) atingiram a casa dos 290 milhões de toneladas, juntamente com a estimativa de produção de dejetos da pecuária de gado de corte que gira em torno de 1,7 bilhões de toneladas ao ano e 365 milhões de toneladas vindas da criação de aves, suínos e bovinos de leite (Plano Nacional de Resíduos Sólidos). De fato nem todo este resíduo gerado é potencialmente passível de aproveitamento, tendo que parte deste valor é perdido no pasto, assim como na limpeza de confinamentos e galpões.images

Com intuito de chamar a atenção para alguns itens o Plano Nacional de Resíduos Sólidos contempla que sejam seguidos:

 

 “I – diagnóstico da situação atual dos resíduos sólidos…; III – metas de redução, reutilização, reciclagem, entre outras, com vistas a reduzir a quantidade de resíduos e rejeitos encaminhados para disposição final ambientalmente adequada; IV – metas para o aproveitamento energético dos gases gerados nas unidades de disposição final de resíduos sólidos; V – metas para a eliminação e recuperação de lixões, associadas à inclusão social e à emancipação econômica de catadores de materiais reutilizáveis e recicláveis…; VIII – medidas para incentivar e viabilizar a gestão regionalizada dos resíduos sólidos…; XI – meios a serem utilizados para o controle e a fiscalização, no âmbito nacional, de sua implementação e operacionalização, assegurado o controle social.”(Plano Nacional de Resíduos Sólidos)

trash-to-gas-photoVemos então que a necessidade faz o homem, de modo que alternativas poderiam, podem e são desenvolvidas para uma otimização na utilização dos resíduos, principalmente de caráter orgânico, em um âmbito de desenvolvimento sustentável.

Os aterros sanitários tem um grande potencial energético, onde segundo Muylaert et al.(2000), produzindo cerca de 60 toneladas de metano ao ano, resultado da decomposição dos componentes residuais vindos da matéria orgânica, o qual pode e é capitado por tubos de coleta, podendo simplesmente ser queimados, ou ainda direcionados para algum tipo de sistema de tratamento e então para uma possível compressão para o aproveitamento energético do mesmo, impulsionando geradores,e seu resto queimado em um flare. O grau de tecnologia estará relacionado com o nível de “purificação” do gás que se deseja obter de tais resíduos, onde um tratamento (processo onde ocorre a remoção de particulados assim como impurezas que agregam características indesejáveis para aplicações energéticas) considerado simples será para aplicações mais simples como por exemplo sua queima em caldeiras, podendo atingir níveis de tecnologia baseada na remoção do dióxido de carbono contido no resíduo.

Tecnologias diversas estão em destaque neste campo de ação, como a incineração controlada do lixo, tecnologia DRANCO (“Dry Anaerobic Composting” – Compostagem seca anaeróbica) e a tecnologia BEM (processo de pré-hidrólise ácida). Dentre estas tecnologias podemos citar a segunda como de grande potencial para aplicação no agricultura onde , o lixo recolhido, devidamente separado em porções orgânicas e inorgânicas, segue para biodigestores , onde a matéria será consumida gerando Metano, adubo orgânico, juntamente com dióxido de carbono. O biogás gerado, além de possíveis aplicações em caldeiras, termelétricas, quando devidamente tratado (através da remoção de impurezas, vapor, assim como CO2 e H­2S), pode ser utilizado como combustível veicular. Tal tecnologia irá trabalhar em de maneira paralela com a produção de biogás (o qual pode ser utilizado para geração de energia em motores do ciclo tipo Otto), assim como produção de adubo orgânico com potencial de utilização no campo, tomado os devidos cuidados com caracterização de matéria orgânica e outros componentes.

downloadÉ claro que quando falamos de gases, resíduos, não podemos deixar de citar os impactos causados por tais, porém quando usadas diferentes técnicas para o gerenciamento destes, como por exemplo usa-los como combustível, isso mitigará  praticamente toda emissão de metano, e o dióxido de carbono será capturado pelas plantas para seu crescimento. De modo que com o grande potencial de resíduos gerados e coletados e grande desenvolvimento de tecnologias, este “peso” pode ser utilizado para mitigação dos próprios em prol do crescimento e desenvolvimento de ideias que fechem o ciclo sustentável de do produção.

Referências Citadas:

ROSA, L.P. et alli (2003). “Geração de Energia a partir de Resíduos Sólidos Urbanos e Óleos Vegetais”. In: TOLMASQUIM, M.T (Coord) Fontes Alternativas de Energia no Brasil – CENERGIA. 1a Ed. Editora Interciência. 515 p.

http://www.ppe.ufrj.br/ppe/production/tesis/lboliveira.pdf

=http://www.mma.gov.br/estruturas/253/_publicacao/253_publicacao02022012041757.pdf

Anúncios

Nos diga o que pensa...

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s