Engenheiro(a) de Biossistemas tem mercado para atuar no Brasil?

Estudando Engenharia de Biossistemas na Universidade de São Paulo, na cidade de Pirassununga-SP, e morando em outra cidade, costumo viajar de ônibus no trajeto casa-faculdade, aos finais de semana. Durante essas viagens já escutei alguns graduandos em Engenharia de Biossistemas explicando mais sobre o curso para os passageiros ao seu redor, visto que a palavra Biossistemas causa bastante interesse nas pessoas, por geralmente desconhecerem o seu significado.

Engenharia de Biossistemas.

Explicar o que é o curso de Engenharia de Biossistemas é sempre um grande desafio, pois muitas vezes as pessoas confundem o significado com outros cursos semelhantes, como Engenharia Agrícola, Agronômica, Ambiental, Química, além de Biotecnologia, Zootecnia, Biomedicina e Ciências Ambientais. Vale destacar o seguinte texto que visa expôr formas de se explicar o que é a Engenharia de Biossistemas: Como explicar o que é a Engenharia de Biossistemas.

A outra pergunta que geralmente é feita é sobre a possibilidade de conseguir emprego na área, visto que o curso é relativamente novo, considerando-se outras graduações, como a Engenharia Agrícola e a Zootecnia, por exemplo.  Essa pergunta é também muito importante, e por isso o objetivo do presente texto é sugerir uma abordagem para nortear possíveis respostas sobre empregabilidade para Engenheiros de Biossistemas.

O curso de Engenharia de Biossistemas possui enfoque principal nas quatro seguintes áreas: Agricultura de Precisão, Zootecnia de Precisão, Bioenergia e Biomateriais. Visto que o curso é de Engenharia, a abordagem feita visa o desenvolvimento e manutenção de tecnologias dessas áreas, incluindo a parte de inovação e empreendedorismo. Sobre a empregabilidade, basta destacar as seguintes informações:

  1. Agricultura de Precisão: O Brasil foi o maior exportador mundial de soja, milho, açúcar, café e suco de laranja, na safra 2012/2013.
  2. Zootecnia de Precisão: O Brasil foi o maior exportador mundial de carne de bovinos e carne de aves, no período 2012/2013.
  3. Bioenergia: O Brasil é o maior produtor mundial de etanol de cana-de-açúcar.
  4. Biomateriais: Apesar de não haver um ranking público sobre produção e exportação de biomateriais, o potencial do Brasil em produzí-los é enorme, visto a grande quantia de resíduos gerados pelas atividades agropecuárias.

O Brasil se destaca pela representatividade mundial em todas as possíveis áreas de atuação dos Engenheiros de Biossistemas, com imenso potencial de crescimento.

Apesar de ocupar a posição de liderança na exportação de muitos produtos agrícolas, sabe-se que a produtividade – isto é, a produção por unidade de área – ainda é muito reduzida para algumas culturas, e portanto existe grande potencial para otimização destas, através da tecnificação dos processos, desenvolvida e implementada por Engenheiros de Biossistemas. Além da produtividade, sabe-se que a qualidade de muitos produtos, como da carne bovina, pode ser elevada através de melhores manejos, certificações e tecnificação dos processos, que também podem ser desenvolvidas por este profissional. Óbviamente o Engenheiro de Biossistemas não atuará sozinho no desenvolvimento do seu trabalho, pelo contrário, espera-se que ele possa participar de um grupo multidisciplinar, conciliando o conhecimento dos diversos profissionais e viabilizando que novas tecnologias possam ser desenvolvidas ou aprimoradas com sustentabilidade.

Da próxima vez que lhe perguntarem sobre a empregabilidade, ou sobre o que o Engenheiro de Biossistemas faz, não se esqueça das quatro áreas de atuação: Agricultura de Precisão, Zootecnia de Precisão, Bioenergia e Biomateriais, assim como da representatividade brasileira nessas áreas, seguida pelo imenso potencial de otimização que ainda carece de profissionais: os Engenheiros de Biossistemas.

Anúncios

A Semana Acadêmica da FZEA/USP e a Engenharia de Biossistemas

Os estudantes da graduação de Engenharia de Biossistemas da Universidade de São Paulo, mais uma vez terão a oportunidade de conhecer empresas e centros de pesquisa  em que poderão trabalhar, através da II Semana Acadêmica da FZEA/USP.

II Semana Acadêmica da FZEA/USP

II Semana Acadêmica da FZEA/USP

A Semana Acadêmica (SEMAC) da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA) possui como título Integração Acadêmica no Agronegócio e é um evento desenvolvido especialmente para os alunos de graduação, os quais poderão conhecer um pouco mais sobre as áreas de interesse de seu curso, por meio de palestras de empresários, professores e representantes comerciais, assim como visitas a faculdades e empresas. A SEMAC também é uma ótima oportunidade para o contato com empresas de interesse dos próprios alunos, pois muitas vezes o palestrante é um recrutador ou até mesmo um Diretor Geral da empresa.

Para os alunos de Engenharia de Biossistemas, foram definidos os seguintes blocos: Construções e Ambiência, Energia, Instrumentação Agropecuária e Sustentabilidade. Cada estudante poderá escolher apenas 1 (um) bloco, e o cronograma completo com o detalhamento de cada bloco pode ser acessado em SEMAC – Eng. de Biossistemas. Foram convidadas empresas de diferentes portes para o evento, de forma a enriquecer o aprendizado dos alunos. Citam-se as seguintes empresas: Associação Brasileira de Energia Eólica, para o bloco de Energia; CASE IH, líder no setor de equipamentos agrícolas, para o bloco de Instrumentação Agropecuária; Big Dutchman, maior empresa de fabricação e comercialização de equipamentos para criação de aves e suínos do mundo, para o bloco de Construções e Ambiência; e Rain Bird Brasil, maior fabricante de equipamentos de irrigação no mundo, para o bloco de Sustentabilidade.

O evento ocorrerá entre os dias 21 e 25 de Outubro de 2013, na Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos, da Universidade de São Paulo, no campus de Pirassununga/SP. As inscrições ocorrerão de 14 a 17 de Outubro, no saguão do Prédio Central da Faculdade, das 11 às 13:30 hrs. Os cursos de graduação envolvidos, além da Engenharia de Biossistemas, são: Engenharia de Alimentos, Medicina Veterinária e Zootecnia. Dada a dimensão e importância do evento, não serão ministradas aulas para a graduação durante esse período.

Engenharia Agrícola e Biológica na University of Illinois at Urbana Champaign

A Engenharia de Biossistemas é um curso ministrado no Brasil a partir do ano de 2009, sendo a Universidade de São Paulo a primeira instituição Sul Americana a oferecê-la como curso de graduação. Apesar do caráter de pioneirismo na América latina, a graduação em Engenharia de Biossistemas já é considerada um curso tradicional em outros países do mundo, como nos EUA, onde localizam-se as Universidades consideradas expoentes na área. De acordo com o ranking da U.S.News & World Report (disponível aqui), as melhores universidades norte americanas que oferecem essa graduação são: Purdue University–​West Lafayette, University of Illinois–​Urbana-​ChampaignTexas A&M University–​College StationIowa State University, North Carolina State University–​Raleigh, entre outras.

A análise da grade curricular do curso de Engenharia de Biossistemas permite entender melhor quais as capacidades do profissional formado, e dessa forma concluir com maior precisão quais as possíveis áreas de atuação dos Engenheiros de Biossistemas no mercado de trabalho. Com a finalidade de expor as capacidades do profissional formado, será analisada a grade curricular desse curso, para a University of Illinois at Urbana Champaign, rankeada como a TOP 2 para o curso de Engenharia de Biossistemas, de acordo com o ranking da U.S.News & World Report. Leia mais deste post

Motivos para você escolher a Engenharia de Biossistemas

Muitos vestibulandos no período de Agosto a Setembro enfrentam uma de suas primeiras grandes decisões na vida: escolher o curso de graduação que desejam cursar. A dificuldade dessa escolha está diretamente atrelada com a questão “o que quero fazer da minha vida”, que em grande parte depende do curso acadêmico e carreira profissional que escolhem seguir. Um dos maiores medos por parte dos vestibulandos é o de ser aprovado em um curso que não lhe cause satisfação pessoal, principalmente pela questão de seu perfil e suas metas pessoais. Obviamente essa é uma questão que já afligiu a maioria dos universitários, principalmente pela grande variedade de cursos oferecidos na atualidade. Dentro desse cenário de dúvidas e necessidade de escolhas surge uma graduação muito promissora, principalmente para os apaixonados pelas áreas de exatas e biológicas, a Engenharia de Biossistemas.

Vestibulandos e suas dúvidas

Vestibulandos e suas dúvidas

A Engenharia de Biossistemas é um curso já tradicional no mundo, porém oferecido pioneiramente no Brasil apenas em 2009, pela Universidade de São Paulo, e que causa muita curiosidade por parte dos vestibulandos devido ao desconhecimento da palavra Biossistemas. A explicação do curso pode ser acessada aqui, porém o objetivo desse texto é destacar motivos para você escolher a Engenharia de Biossistemas. É interessante destacar que não existe um curso que satisfaça todas as pessoas, pois cada pessoa é um ser com perfil, sonhos e metas diferentes, e nesse ponto será discutido algo essencial para a escolha da graduação: a compatibilidade entre o seu perfil, e o perfil do profissional formado pelo curso. Engenheiros de Biossistemas são profissionais com forte formação em engenharia e em sistemas biológicos produtivos, de forma a permitir a interferência eficiente nesses sistemas tão complexos, a fim de otimizá-los. O perfil desses engenheiros é o de próatividade, curiosidade, formação multidisciplinar, independência, gestão e empreendedorismo.

Se você busca realização pessoal com sua carreira, é muito importante que você encontre um curso que lhe permita explorar todo o seu potencial, e cursando Engenharia de Biossistemas você terá a disposição diversas oportunidades de se aperfeiçoar em disciplinas de exatas (como cálculo, física, termodinâmica, automação, mecatrônica, entre outras), de biológicas (como bioquímica, biologia celular e molecular, ecologia, biologia comparativa, zootecnia, grandes cultivos, entre outras) e disciplinas que relacionam diretamente as áreas de exatas e biológicas (como modelagem e simulação de sistemas biológicos, agricultura de precisão, zootecnia de precisão, máquinas para produção agropecuária, agrometeorologia, entre outras). O campo de aplicação desses conhecimentos é muito vasto, principalmente no Brasil, onde o PIB (Produto Interno Bruto)  é altamente dependente da agropecuária.

Exatas ou Biológicas? escolha os dois, escolha Engenharia de Biossistemas.

Exatas ou Biológicas? escolha os dois, escolha Engenharia de Biossistemas.

Outras questões que também são decisivas na escolha do curso de graduação são: “como estará o mercado de trabalho quando eu me formar?”, assim como qual será o meu salário?”. Responder a essas perguntas é algo bastante complexo, pois existem muitos fatores que precisam ser considerados. Sobre o mercado de trabalho e sua estabilidade para Engenheiros de Biossistemas, pode-se mencionar dado atuais, como o fato de na safra 2012/2013 o Brasil ter sido o maior exportador mundial de: Soja, Milho, Açúcar, Café, Suco de laranja, Carne de aves, Carne de bovinos e Biocombustíveis. Esses dados mostram a representatividade brasileira no mercado mundial de commodities de origem biológica, porém além de se avaliar a produção total, é preciso avaliar a produção por unidade de área (produtividade), que ainda, para certas culturas, é considerada baixa, devido à carência de mão de obra especializada e de tecnologia nacional. Engenheiros de Biossistemas podem atuar diretamente nesses mercados, aumentando a produtividade através de técnicas avançadas que combinam os conhecimentos de sistemas biológicos (biossistemas) com engenharia. Outra informação importante é a liderança brasileira quanto à biodiversidade existente no país. Não basta apenas aumentar a produtividade de um componente, é preciso manter o equilíbrio de todo o sistema biológico, através do conceito da sustentabilidade, e nesse ponto mais uma vez o Engenheiro de Biossistemas possui o seu diferencial.

A resposta para a questão do salário é também complexa, pois dependerá, além da situação do mercado, de suas capacidades e experiências individuais. Aqui entra o último motivo para você escolher a Engenharia de Biossistemas: o mercado está aquecido e é crescente no Brasil, e a Universidade de São Paulo é destaque nacional e internacional entre as universidades que formam excelentes profissionais. Cabe a você a reflexão sobre o seu perfil individual, identificando se existe a compatibilidade com esse curso tão promissor: a Engenharia de Biossistemas. Sinta-se a vontade para deixar comentários com dúvidas, sugestões e/ou críticas.

Engenheiros(as) de Biossistemas e Empresa Júnior: vale a pena ?

Os estudantes de Engenharia de Biossistemas têm a oportunidade de estudar durante 5 (cinco) anos na Universidade de São Paulo, possuindo formação acadêmica de excelência e destacável pela abrangência de áreas estudadas. O curso é ministrado na cidade de Pirassununga e em período integral, e portanto possui poucas janelas durante a semana e está relativamente distante de empresas que empregam conceitos de precisão e inovação em áreas que envolvam sistemas biológicos. Tal conjunto de fatores dificulta que os estudantes que almejam uma carreira não acadêmica possam realizar estágios profissionalizantes, em empresas reconhecidas juridicamente, durante o período de graduação.

Biossistec Jr. - Empresa Júnior do curso de Engenharia de Biossistemas, da Universidade de São Paulo.

Biossistec Jr. – Empresa Júnior do curso de Engenharia de Biossistemas, da Universidade de São Paulo.

Nesse contexto um tanto não usual, de excesso de mão de obra qualificada, surgiu a Biossistec Jr. – Empresa Júnior do curso de Engenharia de Biossistemas. O conceito proposto para tal empresa júnior é que ela possa empregar os melhores alunos interessados em seguir carreira profissional, oferecendo-lhes a oportunidade de desenvolver as habilidades empresariais exigidas para o sucesso profissional no período pós-faculdade – através da prestação de consultorias nas áreas da Engenharia de Biossistemas. Mas afinal de contas, a experiência trabalhando com a empresa júnior é válida e benéfica para os estudantes de Engenharia de Biossistemas?

Particularmente eu tive a experiência de trilhar boa parte de minha graduação junto a Biossistec Jr.- iniciando como trainee, indo para gerente, Diretor de Departamento, Diretor Vice-Presidente e atualmente com o cargo de Presidente. Sendo assim, gostaria de compartilhar algumas coisas que aprendi e que responderão, naturalmente, a questão proposta: “a experiência trabalhando como empresário júnior é válida e benéfica para os estudantes de Engenharia de Biossistemas?”.

Inicialmente, trabalhar na Empresa Junior (EJ) irá lhe colocar em situações novas, onde você precisará lidar com prazos rígidos, padrões de qualidade e trabalho em equipe.  Tais conceitos são trabalhados, sim, durante a graduação na faculdade, porém com outra abordagem daquela feita durante o trabalho na EJ – pois não existem notas vermelhas ou trabalhos a serem feitos na véspera: é preciso aprender a deixar os paradigmas e comportamentos de “ser estudante” e aprender a postura de “ser um profissional”.

Ex-Presidente Lula apoiando a iniciativa das Empresas Juniores:

Ex-Presidente Lula apoiando a iniciativa das Empresas Juniores: “Ser Júnior no Brasil é ser gigante pela própria natureza”.

Participar de reuniões com pessoas de diferentes cargos, empresas e universidades permite um aprendizado riquíssimo sobre como se portar em situações empresariais, onde é possível observar as pessoas e incorporar novas técnicas para seu leque de conhecimentos. A capacidade de improvisação em situações novas também é uma habilidade muito trabalhada pelos membros das EJs, pois é preciso aprender a elaborar respostas/justificativas, em um curto espaço de tempo, apresentado-as para diversos públicos através do uso das técnicas de oratória mais adequadas ao momento.

A necessidade de trabalhar e ao mesmo tempo cursar uma graduação em tempo integral exige que os membros das empresas juniores desenvolvam técnicas para a administração de seu tempo, e que lhes permitam conseguir o máximo de produtividade através de planejamento prévio, utilizando, por exemplo, agendas e listas. As relações interpessoais também são desenvolvidas durante os trabalhos nas empresas juniores, onde é possível notar que nem sempre os melhores estudantes (academicamente falando) possuem melhor desempenho na empresa, e que também não necessariamente o fato de uma pessoa ser “legal” ou “descolada” irá garantir que os trabalhos, por ela feitos, sejam de boa qualidade.

O trabalho na EJ permite que os membros identifiquem os líderes legítimos e os líderes que precisam impôr seu poder, e desta forma entende-se na prática os princípios necessários para liderar e trabalhar com equipes. Essa experiência também prepara os estudantes ao futuro mercado de trabalho, onde não necessariamente terão um líder exemplar, mas que caso recebam a oportunidade de liderar uma equipe, obterão sucesso por já terem desenvolvido essa atividade. Todos os cargos na EJ recebem feedbacks para o aperfeiçoamento e crescimento profissional e pessoal.

A participação na Empresa Júnior é essencial para a criação de rede de contatos profissionais, networking, e também para o aprendizado e entendimento de palavras empresariais, como: benchmarking, brainstorming entre outras. Já pensou ir para o mercado de trabalho e ser constrangido por não saber o significado dessas palavras? Para as pessoas que se dedicam a Empresa Júnior é bastante comum a obtenção de bolsas de estudos no exterior, através de diferentes programas de intercâmbio, oportunidade para participar de projetos de iniciação científica, entre outros. Alguns membros conseguem muita visibilidade, dentro e fora da empresa, devido à competência com que desenvolvem seus trabalhos, o que abre portas para cartas de recomendação e principalmente indicações futuras para cargos de confiança.

Um dos principais benefícios, para os membros das empresas juniores, é o reconhecimento e visibilidade por parte das empresas de recrutamento. Justamente devido à esse leque exclusivo de experiências, que os participantes das EJs possuem, já é esperado que eles possuam postura e habilidades profissionais no momento de sua graduação. Esse diferencial induz inevitavelmente os recrutadores a terem outros olhos sobre tais pessoas, visto que apenas a graduação em si não garante que as pessoas saibam trabalhar em equipes, com a mentalidade e padrões de qualidade empresarial. 

Jornal Folha de São Paulo apresentando os benefícios e importância de graduandos participarem de Empresas Juniores.

Jornal Folha de São Paulo apresentando os benefícios e importância de graduandos participarem de Empresas Juniores. Clique na imagem para ampliá-la.

As empresas juniores possuem todos os registros e documentos que a identificam como empresa/pessoa jurídica: CNPJ, Regimento Interno, Estatuto Social e Código de Ética, e também presta contas ao Fisco anualmente, assim como ao Contador, mensalmente. É por essa razão que as empresas juniores são tão valorizadas pelos professores, pois apesar de nenhum de seus empregados estudantes ser remunerado diretamente, a bagagem de conhecimentos e experiências adquiridas garantirão que os futuros profissionais consigam se destacar no mercado de trabalho, tanto pelo currículo quanto pelas competências, técnicas e comportamento, que formam o diferencial buscado nos profissionais atualmente.

Considero importante destacar um tipo muito especial, e frequente, de membro que tenta integrar as empresas juniores: os que não trabalham. Não trabalhar é uma abreviação para sintomas mais significativos, como: não respeitar prazos e não entender o que é padrão de qualidade empresarial. As justificativas apresentadas por tais membros costumam ser semelhantes, e variam entre: falta de tempo e falta de orientação. A experiência de trabalhar nas EJs ensina justamente as pessoas a entenderem a importância de administrar o tempo e a utilizar os canais corretos de comunicação, sempre fazendo perguntas, quando necessário. Todos os membros possuem a ótima oportunidade de aperfeiçoar essas técnicas para se tornarem profissionais de sucesso, porém para os membros que insistem em não aprendê-las, não resta outra saída a não ser a advertência, seguida pelo afastamento. É lamentável que existam pessoas que acreditem que apenas por adicionar ao currículo a participação em empresa junior, já seja suficiente. Todos sabem que os recrutadores conseguem identificar pessoas que realmente foram proativas, que trabalharam e desenvolveram novas habilidades – portanto, a participação em EJs oferece uma ótima oportunidade aos estudantes, desde que eles estejam dispostos a trabalhar e se destacar.

Retomando a pergunta proposta: “a experiência trabalhando com empresa júnior é válida e benéfica para os estudantes de Engenharia de Biossistemas?” e analisando a situação apresentada, somos levados a outras perguntas, mais significativas e diretas: “Você quer uma carreira profissional de sucesso no futuro?” – se sim, “você já possui maturidade para começar a desenvolver as habilidade necessárias para atingir tal meta?” – se sim, seja bem vindo a Biossistec Jr., a Empresa Junior do curso de Engenharia de Biossistemas da Universidade de São Paulo!

Como explicar o que é a Engenharia de Biossistemas:

Uma das grandes missões que os estudantes e futuros bacharéis do curso de Engenharia de Biossistemas enfentram é: explicar o que é o curso, o que o tal profissional faz e qual o mercado de atuação para os formados nessa graduação.

A Engenharia de Biossistemas é um curso fundado no Brasil no ano de 2009, pela Universidade de São Paulo, e portanto grande parte da população brasileira desconhece o curso e inclusive o profissional Engenheiro de Biossistemas, então qual é a melhor forma para explicar para essas pessoas sobre o curso e a importância desse engenheiro para a sociedade?

A fim de instruí-los sobre como abordar tal explicação, eu, Marcelo Saade Amato, descreverei as minhas experiências ao explicar o que é a Engenharia de Biossistemas para diferentes públicos, e dessa forma espero poder contribuir com o grande número de alunos do curso, que tem essa mesma tarefa diariamente.

Universidade de São Paulo

 O que se aprende no curso:

Vamos começar fragmentando o nome. “Engenharia”: significa que assim como todos os demais cursos que recebem tal título, os 3 (três) primeiros anos são muito semelhantes aos demais cursos de Engenharia. Portanto existe uma carga tradicional de Cálculo, Física, Termodinâmica, Programação de computadores, Mecânica, Fenômenos de Transporte, entre outros. Muitas pessoas, que não conhecem o curso, tentam desvalorizá-lo perguntando: “Mas vocês tem Cálculo III e Eletromagnetismo?” (referindo-se à parte de Matemática e Física do curso). Nesse caso é preciso responder “Sim, temos até Cálculo IV, seguido de Cálculo Numérico. Na parte de física temos além de Eletromagnetismo, Física quântica e Mecânica quântica”.

E qual o significado de “Biossistemas”? A resposta é simples: o nome Biossistemas veio do termo em inglês Biosystems, também chamado de Biological systems e Biological Engineering. Desta forma o curso trata de sistemas biológicos com uma abordagem de engenharia. Por sistemas biológicos, pode-se entender: desde o nível molecular até o nível de ecossistemas, com enfoque ao conhecimento necessário para desenvolvimento científico e desenvolvimento/aperfeiçoamento e implementação de tecnologias que favoreçam a produtividade sustentada de sistemas biológicos. O conhecimento em biossistemas vem através de disciplinas como Bioquímica, Biologia Celular e Molecular, Ecologia, Biologia Comparativa, Zootecnia, Grandes Cultivos, Cultivos Protegidos, Agricultura e Zootecnia de Precisão, Agrometeorologia, Máquinas para Produção Agropecuária, Modelagem e Simulação de Sistemas Biológicos, entre outras disciplinas. A grade do curso é bastante completa e com diversos pré requisitos para garantir a qualidade do profissional a ser formado.

Particularmente, eu tinha certa dificuldade em definir o curso de Engenharia de Biossistemas para leigos até o terceiro ano, principalmente pelo fato de as disciplinas  cursadas durante os primeiros anos serem muito semelhantes às demais Engenharias, exceto pela forte base em biologia e química. A partir do início do quarto ano é possível entender como todas as matérias até então estudadas se relacionam, através de disciplinas como Controle, Automação, Mecatrônica, Robótica, entre outras, permitindo que todos os sistemas biológicos até então estudados possam ser otimizados, através do estudo de sensores, diferentes meios para o processamento de dados, terminando com a geração de uma resposta personalizada para o biossistema, incluindo o sistema de feedback.

Geralmente eu apresento o curso falando “É um curso da Universidade de São Paulo que tem todas as disciplinas convencionais das demais engenharias, e com fortes bases em química e biologia. O foco é capacitar os alunos a trabalharem com sistemas biológicos, sob o aspecto da engenharia, desde a atuação em centros de pesquisa científica, indo até o mercado de produção vegetal e animal e abrangendo também a geração de energia distribuída e administração do próprio empreendimento”.

Grande parte das pessoas, ainda após a explicação, não entende como é possível que um curso possa ser tão abrangente e mesmo assim ensinar conceitos com profundidade. Caso essa seja a situação basta apresentar a realidade “o curso tem duração de 5 anos, em período integral, isso é: 8 horas de aula por dia. A Universidade de São Paulo caprichou nesse curso”. Por experiência própria, e que pode ser confirmada através de outros intercambistas, os alunos norte americanos não acreditam que possamos fazer mais de 30 créditos por semestre (lá os cursos denominados full time tem em média 15 créditos por semestre) com duração de 4 anos. Quanto aos alunos alemães, tive a felicidade de descobrir que em 5 anos, os alunos se formam com bacharel e mestrado em Engenharia. Esses argumentos são excelentes para mostrar aos desinformados como a Engenharia de Biossistemas, oferecida pela Universidade de São Paulo, é um curso digno de todos os créditos possíveis.

O que o profissional faz:

Atuações da Engenharia de Biossistemas: aplicações da Engenharia a diversos sistemas biológicos.

Atuações da Engenharia de Biossistemas: aplicações da Engenharia a diversos sistemas biológicos.

Após explicar sobre o funcionamento do curso, as pessoas, em geral, se interessam pelo mesmo e perguntam por profissionais já atuantes no mercado. A resposta para essa pergunta é simples, pois se o curso tem duração de 5 anos e foi introduzido no Brasil em 2009, a primeira turma, formada pela Universidade de São Paulo, atuará no mercado de trabalho apenas a partir do início de 2014. Porém esse fato não significa que não exista demanda por tal profissional, pois o Brasil carece de Engenheiros e, principalmente, possui vocação para a produção de bens de origem biológica, sendo apontado por fontes internacionais como sendo o celeiro do mundo, a partir de 2020.

Muitas pessoas acreditam que existem apenas três profissões centrais ‘notáveis’: o Médico, o Advogado e o Engenheiro Civil. Em alguns casos é complicado convencer que os 7 bilhões de habitantes do mundo precisam se alimentar e se vestir (com roupas de algodão, por exemplo) e que quem trabalha para abastecer todo esse mercado não são tais profissionais, nem os fazendeiros que trabalham apenas com enxadas.

O Engenheiro de Biossistemas trabalha promovendo soluções de engenharia, principalmente instrumentação, automação e precisão,  para sistemas que envolvam fatores biológicos, tais como as etapas da cadeia de produção vegetal e animal, energia, biocombustíveis e gestão de resíduos na agroindústria, além de serviços de consultoria, administração de projetos em diversas áreas, análise de políticas, entre outros. Apesar de atualmente outros profissionais desenvolverem estas funções, a tendência mundial é que a Engenharia de Biossistemas suceda os demais cursos que abordam Engenharia juntamente com a Biologia, promovendo uma formação mais abrangente e permitindo que os bacharéis tenham uma visão completa de diferentes biossistemas e suas integrações. Observando essa tendência, algumas universidades americanas já incorporaram o termo Biological no nome dos antigos departamentos de Agricultura e Meio Ambiente, cita-se: University of Illinois, Purdue University, Texas A&M, University of Florida, Penn State University, North Carolina State University, entre muitas outras universidades.

O curso, na Universidade de São Paulo, é ministrado por docentes Doutorados em diversas áreas, existindo professores matemáticos, físicos, químicos, veterinários, zootecnistas, economistas, além de engenheiros agrícolas, civis, elétricos, de materiais, de alimentos entre outros. A possibilidade de estudar com docentes de diferentes campos permite a aquisição de uma bagagem teórica excepcional e bastante variada. Durante as aulas os professores mencionam frentes em que o profissional Engenheiro de Biossistemas pode atuar, dentro da área em que eles se especializaram, e é muito satisfatório ver como a grade curricular nos torna profissionais altamente flexíveis, porém altamente especializados em áreas tão promissoras. Uma expressão utilizada para descrever as capacidades do Engenheiro de Biossistemas é: profissional de fronteira – onde devido a abrangência de conhecimentos adquiridos, muitas vezes as áreas dominadas exclusivamente apenas por outras graduações são estudadas a fundo por essa nova Engenharia, com a finalidade de garantir o desenvolvimento e integração de tecnologias atuais com outras que apenas os Engenheiros de Biossistemas estão capacitados a desenvolver.

Importância da Engenharia de Biossistemas: desenvolvimento de projetos que considerem fatores biológicos.

Qual o mercado de atuação:

Uma das perguntas mais incríveis após toda essa explicação detalhada é: “Mas vai ter mercado para você trabalhar quando você se formar?”. Em geral essa pergunta me causa um grande desconforto, pois provavelmente indica que eu não soube explicar as capacidades do profissional.

Para responder essa pergunta da maneira mais completa possível é preciso analisar o mercado de trabalho no futuro. Vamos analisar o meu caso, 2015. Particularmente eu não sei informar precisamente se o mercado imobiliário estará aquecido, ou se a economia estará crescendo, ou se o setor automotivo estará em alta. Felizmente estas perguntas não são essenciais para me esclarecer sobre o mercado de atuação do Engenheiro de Biossistemas. As perguntas que me interessam são: as pessoas irão continuar a se alimentar, se vestir, utilizar energia elétrica e a andar de carro? Haverá preocupação com a questão produção versus preservação ambiental?

A expectativa geral da população é que no futuro o consumo de bens de origem animal e vegetal aumente (indicando que a população possui maior renda e melhores hábitos alimentares), assim como ocorra a valorização de produtos de origem sustentável, como os biocombustíveis. Esse cenário é ideal para o Engenheiro de Biossistemas. Caso tal expectativa não se realize, isto é, caso o consumo de alimentos se reduza, ainda assim o Engenheiro de Biossistemas será demandado devido ao seu potencial de maximizar a produção de produtos de origem biológica, reduzindo os custos e perdas para a produção destes. Esta análise simples permite afirmar que o mercado de trabalho é muito estável para tal profissional, pois está atrelado ao conceito básico de sobrevivência do ser humano.

Uma explicação muito boa sobre o Engenheiro de Biossistemas pode ser encontrada no catálogo de cursos da University of California, segue um trecho traduzido:

“A engenharia de biossistemas é uma graduação em engenharia que usa a biologia como sua principal base científica. Nesta nova era da biologia e biotecnologia, engenheiros precisam trabalhar lado a lado com cientistas da vida para trazer os avanços dos laboratórios para produtos comerciais. Indústrias em produção vegetal e animal, bioenergia, bioprocessamento, biotecnologia, processamento de alimentos, aquacultura, agricultura e produção de florestas precisam de engenheiros com fortes treinamentos em biologia. A respeito dos recursos ambientais, a preservação destes cria diversas oportunidades de engenharia conforme a sociedade esforça-se para manter o equilíbrio da biosfera”. 

Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos – USP/FZEA.

Quem garante que o curso vai dar certo:

Caso o fato de o curso já existir em outros países do mundo há muito tempo não seja suficiente para convencer as pessoas de que o curso será um sucesso também no Brasil, existem também outros fatores que demonstram o potencial do curso, por exemplo: em 2013 completou-se 4 (quatro) anos que a Universidade de São Paulo continua investindo no curso de Engenharia de Biossistemas, contratando novos professores exclusivamente para o curso, investindo na construção dos prédios administrativos e laboratórios, aprovando o novo Departamento de Engenharia de Biossistemas, entre outros.

O curso de graduação ainda não possui registro no CREA, órgão regulamentador, porém membros da Universidade de São Paulo já estão organizando todos os documentos a serem apresentados para a oficialização da profissão. É importante ressaltar que as empresas não contratam funcionários apenas pelo grau de instrução, mas sim pela capacidade de desenvolver tarefas, produtos e atividades com qualidade. Alunos recém formados, com 5 anos de estudos, em período integral, com fortes bases em engenharia, química e biologia e que estudaram na Universidade de São Paulo tem uma grande expectativa de produtividade por parte das empresas.

Alguns dos alunos do curso de Bacharel em Engenharia de Biossistemas da Universidade de São Paulo  participam ou já participaram de intercâmbios, trocando experiências com pessoas de outros países e apresentando o curso para outras instituições ao redor do mundo. O curso já enviou alunos para Universidades dos Estados Unidos da América, Itália, Portugal, Alemanha, entre outros. Grande parte dos alunos do curso também esta envolvida com pesquisas científicas patrocinadas por grandes empresas de fomento, como o CNPQ e FAPESP. Outra parte dos estudantes também trabalha na Empresa Junior do curso, que presta consultoria e promove eventos de capacitação profissional na área. Também existem alunos que trabalham em laboratórios dentro da faculdade, assim como outras associações estudantis que agregam qualificações aos futuros profissionais.

É interessante ressaltar histórias de cursos como o de Tecnologia da Informação, que eram pouco divulgados quando lançados, e atualmente oferecem diversas oportunidades de emprego. O mesmo caso é esperado para a Engenharia de Biossistemas, afinal, você consegue contar quantos dos produtos ao seu redor não possuem nenhuma relação com sistemas biológicos e que portanto podem ter seu processo de produção otimizado por Engenheiros de Biossistemas ?

Leia também: Afinal de contas, qual o salário médio do Engenheiro de Biossistemas ?

A Engenharia de Biossistemas na Universidade da Califórnia – Davis

A Engenharia de Biossistemas é um curso recente no Brasil e na América Latina, porém já é difundido e tradicional em outros países, como nos Estados Unidos da América. Com o objetivo de elucidar ainda mais o que é a Engenharia de Biossistemas, para todos os interessados, é possível visitar as diferentes Universidades que oferecem tal curso e ler os manuais e documentos orientacionais sobre o curso e a carreira profissional/acadêmica dos graduados no curso. 

A Universidade da Califórnia, campus em Davis, oferece a graduação em Engenharia de Biossistemas (sendo também chamada de Engenharia de Sistemas Biológicos e/ou Engenharia Biológica) e apresenta em seu website um documento com a descrição de todos os cursos presentes em seu campus. Para ampliar a divulgação dessa nova área da Engenharia no Brasil, segue a tradução livre das partes principais do documento mencionado. Caso tenha interesse em ler o arquivo original, em inglês, o mesmo é disponibilizado através do seguinte arquivo: UC Davis – The Biological Systems Engineering.

University of California, Davis.

University of California, Davis.

A Graduação em Engenharia de Sistemas Biológicos:

A Engenharia Biológica (ou Engenharia de Biossistemas) é o curso de engenharia baseado na biologia e que integra as ciências da vida com a engenharia, focando no progresso e aplicações dos conceitos fundamentais dos sistemas biológicos, desde níveis moleculares até ecossistemas complexos.

Objetivo do Departamento de Eng. de Biossistemas – UC Davis:
Os objetivos são: avançar a ciência, ensinar os princípios e aplicações, disseminar o conhecimento de engenharia necessário para produzir, distribuir e processar produtos biológicos, como comidas e fibras, enquanto conserva as fontes naturais, preservando a qualidade do ambiente e garantindo a saúde e segurança das pessoas.

Estudantes graduados como bacharelo em Engenharia de Biossistemas na Universidade de UC Davis estão preparados para:
– Aplicar as ciências da vida em engenharia, nos níveis: bioquímicos, celular, organismos e macro níveis;
– Resolver problemas de engenharia biológica, enquanto contratados no setor público ou privado;
– Considerar as consequências ambientais de suas atividades de engenharia;
– Se comunicar efetivamente com colegas profissionais e eleitorados públicos;
– Agir de maneira ética; e
– Continuar suas formações em um mundo profissional de constantes mudanças.

Nós educamos estudantes nos fundamentos da matemática, física e ciências biológicas, e engenharia, balanceado com as aplicações dos princípios de problemas práticos. Nós ensinamos os estudantes a desenvolver habilidades para resolver problemas de engenharia em sistemas biológicos através do uso de análise apropriada, síntese, e desenvolvimento de projeto de engenharia apropriado. Nós preparamos os estudantes para inserção na prática da engenharia e cursos de pós-graduação, assim como comprometimento com o aprendizado ao longo da vida. Nós promovemos a habilidade dos nossos estudantes de colaborar e se comunicar efetivamente, e promover consciência da importância dos aspectos econômicos, responsabilidades profissionais e ambientais.

Mascote da University of California, Davis.

Mascote da University of California, Davis.

A engenharia de biossistemas é uma graduação em engenharia que usa a biologia como sua principal base científica. Nesta nova era da biologia e biotecnologia, engenheiros precisam trabalhar lado a lado com cientistas da vida para trazer os avanços dos laboratórios para produtos comerciais. Indústrias em produção vegetal e animal, bioenergia, bioprocessamento, biotecnologia, processamento de alimentos, aquacultura, agricultura e produção de florestas precisam de engenheiros com fortes treinamentos em biologia. A respeito dos recursos ambientais, a preservação destes cria diversas oportunidades de engenharia conforme a sociedade esforça-se para manter o equilíbrio da biosfera”.

No Brasil o curso é oferecido, dentre outras instituições, pela Universidade de São Paulo. O Bacharel em Engenharia de Biossistemas tem duração de 5 (cinco) anos, em período integral, e é realizado pela Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos – FZEA, no campus em Pirassununga.

Se interessou pelo curso e gostaria de saber mais sobre as áreas de atuação do Engenheiro de Biossistemas? Continue lendo o Portal Biossistemas, ele é dedicado a difundir notícias sobre a Engenharia de Biossistemas e o seu campo de atuação profissional e acadêmico.

Leia também: Afinal de contas, qual o salário médio do Engenheiro de Biossistemas ?

%d blogueiros gostam disto: